Arquidiocese de Florianópolis

Coordenação Arquidiocesana de Pastoral

Orientações Pastorais Para os Sacramentos


Preparação

1. O Sacramento do Batismo, porta dos sacramentos e de entrada na comunidade de fé, inserido no contexto da Iniciação à Vida Cristã, seja integrado no processo de inspiração catecumenal com a devida atenção dos agentes evangelizadores. A inspiração catecumenal para o Sacramento do Batismo compreende quatro momentos:

1.1 – Inscrição na paróquia, acolhida e visita à família; (antes).

1.2 – Encontros catequéticos com os familiares, em pequenos grupos, sobre o sacramento do Batismo e a vida de fé (durante);

1.3 – Celebração do sacramento do Batismo (durante);

1.4 – Compromisso da comunidade e acompanhamento da família do recém-batizado (depois).

  1. As inscrições das famílias sejam realizadas de forma criativa, privilegiando uma conversa personalizada e misericordiosa. É preciso acolher em um ambiente alegre e familiar.
  2. Feito o pedido pela família para o Batismo da criança, uma equipe (um casal) se colocará a disposição no atendimento para um primeiro contato, dando a oportunidade para compreender à realidade de cada família. Num segundo momento a equipe de preparação ao sacramento do batismo visitará a família e numa conversa informal darão as indicações de como se inserir na comunidade, e como se processará a preparação do sacramento do batismo.
  3. As crianças que estão inscritas no processo de iniciação à vida cristã e que não são batizadas, requer-se da família a presença efetiva nos encontros, ritos e entregas vigentes no processo do catequizando. A celebração do Batismo seja realizada no final do segundo tempo (6ª fase), conforme previsto no itinerário ou na Vigília Pascal.
  4. Se os pais do batizando não forem casados no religioso (mas têm possibilidade canônica de se casarem), sejam bem acompanhados e esclarecidos sobre a importância e a necessidade do matrimônio, propondo e incentivando a preparação para sua celebração, mesmo depois do batizado do filho ou da filha. Se os pais, mesmo conscientizados, não se sentirem preparados, celebre-se o Batismo com dignidade.
  5. Se os pais viverem “juntos”, sem possibilidades jurídicas de se casarem, por impedimento de vínculo ou, por falta de consentimento, quando um dos cônjuges não aceita casar, mas o outro assume a educação da criança, celebre-se o batizado, exigindo a presença dos pais e padrinhos nos encontros de preparação.
  6. Ninguém seja obrigado a celebrar o sacramento do Matrimônio, como condição para batizar o filho ou filha.
  7. No caso de uma criança adotada, para a qual os pais têm dificuldade de providenciar a documentação de adoção definitiva, faça-se o Batismo, contanto que os pais se comprometam, por escrito, a apresentar a certidão do registro civil, com o mesmo nome do Batismo, assim que a adoção for legalizada. Em casos litigiosos, por prudência, aconselha-se aguardar a definição do processo.
  8. Em casos de uniões homoafetivas, o Batismo não seja negado à criança. O registro do Batismo seja feito em conformidade com o registro civil, podendo, se necessário, fazer algumas     observações. Os padrinhos sejam admitidos conforme estas orientações.
  1. Para assumir esta missão, requer-se:
  2. Apenas um padrinho ou uma madrinha (CDC, Cân. 873);
  3. aceitar e assumir esta incumbência com responsabilidade;
  4. que tenha completado 16 anos (CDC 873);
  5. se casados, que o sejam na Igreja;
  6. ser cristão/cristã católico/a;
  7. ter feito um caminho de Iniciação à Vida Cristã e recebido os sacramentos (Batismo, Crisma, Eucaristia e se forem casados, o matrimônio).
  1. Na celebração do Batismo, além de um padrinho ou uma madrinha, pode haver testemunhas que acompanhem o batizando.
  2. Os casos especiais sejam analisados, pastoralmente, pelo pároco ou seu representante, antes do início dos encontros catequéticos.
  3. O registro do Batismo seja feito em conformidade com o registro civil.
  4. Os adultos sejam convidados para uma caminhada de preparação para os Sacramentos da Iniciação Cristã, após um verdadeiro caminho catecumenal, a ser realizado de Quaresma à Quaresma, seguindo o ano litúrgico, levando em conta os ritos de passagem e as celebrações de entrega, com adequada preparação e vivência na comunidade (CDC, Cân. 865 e 866 e Rito da Iniciação Cristã de Adultos). Estes sacramentos sejam celebrados de preferência na Vigília Pascal onde serão celebrados os três sacramentos de iniciação.

Conteúdo

  1. Toda paróquia promova os encontros catequéticos e celebrativos de preparação para o sacramento do Batismo, favorecendo a vivência deste sacramento. Deem-se às famílias a oportunidade de participarem em 5 encontros com a duração de uma hora e meia, em pequenos grupos, isto é, 05 famílias com o padrinho .
  1. Os encontros catequéticos seguirão a metodologia catecumenal e serão conduzidos com subsídio próprio da Arquidiocese, percorrendo os quatro tempos do catecumenato.
  2. Para quem realiza os encontros catequéticos sobre o sacramento do Batismo requer a formação adequada de catequistas no estilo catecumenal, entendendo o processo, a progressividade da fé, a dimensão litúrgico-celebrativa e o valor do acompanhamento da fé das famílias.
  3. Nos encontros de preparação de catequistas, à luz da Iniciação à Vida Cristã de inspiração catecumenal, levem-se em conta os conteúdos:
  1. a) O anúncio de Jesus Cristo (Querigma), com base nos evangelhos;
  2. b) A catequese, com centralidade na Palavra de Deus, vivenciada na Liturgia e explicada com os conteúdos do Catecismo da Igreja Católica (Doutrina);
  3. c) A celebração do sacramento do Batismo, compreendendo o rito e símbolos;
  4. d) A vivência da fé e a participação comunitária;
  5. e) A missão dos pais e padrinhos, indicada no Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (RICA) e no Código de Direito Canônico;
  6. f) O sentido ecumênico da fé.
  7. A formação de catequistas para o sacramento do Batismo precisa levar em conta os conteúdos presentes nos seguintes documentos:
  8. a) Instrução sobre o Batismo de criança (Congregação da Doutrina da Fé, 1981);
  9. b) Pastoral dos Sacramentos da Iniciação Cristã (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Doc. 02, 1985);
  10. c) Batismo de criança (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Doc. 01, 1980);
  11. d) Introdução ao “Rito do Batismo de crianças”;
  12. f) Introdução ao “Ritual da Iniciação Cristã de Adultos” (RICA);
  13. g) Catecismo da Igreja Católica;
  14. h) Iniciação à Vida Cristã: um processo de inspiração catecumenal (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Est. 97, 2009);
  15. i) Iniciação à Vida Cristã: Itinerário para formar discípulos missionários (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Doc. 107, 2017):
  16. j) O Plano de Pastoral da Arquidiocese de Florianópolis (2012-2022);
  17. l) “Orientações Pastorais para os Sacramentos”, da Arquidiocese de Florianópolis.
  18. O objetivo dos encontros catequéticos é oferecer aos familiares, pais e padrinhos, a oportunidade de renovarem sua fé e uma maior integração na comunidade.
  19. A preparação seja feita de preferência na paróquia de origem do batizando, dos familiares e padrinhos. Acontecendo fora do território da Arquidiocese, é válida para se batizar, mediante a apresentação do comprovante de participação.
  20. Para pais e padrinhos residentes fora do território da Arquidiocese, requer-se uma declaração da Paróquia de origem, para realizar o sacramento do batismo.
  21. Seja oferecida aos padrinhos uma lembrança pela participação nos encontros de preparação, como memória de pertença à comunidade e acompanhamento do afilhado.

Celebração

  1. Esclareçam-se, frequentemente, os católicos, de que o Batismo não tem a intenção de ser celebrado para manter a tradição, para curar doenças ou por motivos supersticiosos, mas para receber a graça da filiação divina e inserir a pessoa na comunidade de fé da Igreja.
  2. O Batismo seja celebrado, de preferência, na paróquia onde moram ou participam os pais, como sinal de inserção do batizando na comunidade de fé.
  3. Os pais deverão apresentar autorização do seu pároco para batizar seus filhos em outra paróquia. As Foranias pastorais poderão abolir, entre as paróquias que dela fazem parte, tal exigência.
  4. Haja, em todas as paróquias, uma equipe especial de celebração para o Batismo. A equipe de celebração deve envolver os catequistas do batismo e a equipe de Liturgia.
  5. Ocasionalmente, em vista de uma catequese litúrgica, a celebração do Batismo seja feita na própria celebração da Missa ou no culto dominical.
  6. Conforme as orientações da CNBB, mantenha-se a unidade entre os sacramentos do Batismo, Eucaristia e Crisma.
  7. Valorize-se a Vigília Pascal como espaço litúrgico para a celebração do sacramento do Batismo, sobretudo tratando-se de adultos. Seguir as instruções do RICA n. 208 a 226.
  8. Não é permitido o Batismo em casas, capelas particulares, maternidades e hospitais infantis, ressalvado o caso de Batismo de urgência, devendo então, encaminhar a família para a paróquia, onde se fará a complementação do ritual e registro.
  9. Procurem-se meios de realizar, de modo solene e fiel, o “Rito do Batismo, valorizando cada momento da celebração e favorecendo a participação da comunidade.
  10. A preparação e a celebração do Batismo levem em conta a dimensão ecumênica da unidade entre as Igrejas cristãs, as normas disciplinares e as orientações pastorais da nossa Igreja (CDC, Cân. 869).
  11. Os encontros de preparação para o Sacramento do Batismo sejam realizados de forma celebrativa e com inspiração catecumenal, integrando Catequese e Liturgia.
  12. Para manter uma unidade pastoral, utilizem-se subsídios elaborados e indicados pela Arquidiocese.

Vivência e acompanhamento

  1. Toda paróquia seja responsável pelo acompanhamento personalizado da família que pede o sacramento do Batismo.
  2. O acompanhamento é um instrumento fundamental para o crescimento humano e na fé dos que se aproximam e querem fazer parte da comunidade cristã. O acompanhamento introduz a pessoa passo a passo até chegar à plena apropriação do mistério. Os padrinhos bem conscientes de sua fé, podem ser acompanhantes.
  3. Os acompanhantes sejam preparados para assumirem a missão de acompanhar o recém-batizado e sua família. Para este acompanhamento convidar movimentos, pastorais para visitas ao neófito, aprofundando o sentido mistagógico do processo vivencial da fé. São formas de acompanhamento: envio de mensagem, memória do dia do batizado, presença informal na casa da família dos batizados, convite para rezar o sacramento do Batismo. No acompanhamento procure-se seguir as orientações elaboradas pela Arquidiocese.
  4. Os pais e padrinhos sejam despertados, a partir dos encontros de preparação e da celebração do sacramento do Batismo, para um compromisso maior com a vivência cristã dos filhos e afilhados e um engajamento mais concreto na ação pastoral da comunidade, de modo especial nos Grupos Bíblicos em Família.
  5. Este sacramento seja entendido como um processo permanente de interligação entre fé e vida, de modo que, a partir dele, brotem expressões de justiça e de igualdade na Igreja e na sociedade civil.
  6. Os pais e padrinhos sejam despertados, a partir dos encontros de preparação do sacramento do Batismo, para uma vivência e crescimento na fé cristã como caminho para o seguimento de Jesus Cristo no testemunho e acompanhamento dos filhos.