Arquidiocese de Florianópolis

Coordenação Arquidiocesana de Pastoral

Orientações Pastorais Para os Sacramentos


Preparação

  1. A partir do 13º Plano de Pastoral foi assumido o processo de Iniciação à Vida Cristã, com inspiração catecumenal em todas as paróquias.
  1. “A Iniciação à Vida Cristã é entendida como um processo de preparação, compreensão e acolhimento dos grandes segredos da fé e da vida nova revelada em Cristo” (DNC 38).
  2. O processo de Iniciação à Vida Cristã começa com o sacramento do Batismo, que é a porta da fé e sinaliza a entrada da Igreja. Este será compreendido em unidade com os sacramentos da Eucaristia e da Crisma.
  3. Este processo será entendido como Igreja, casa da Iniciação à Vida Cristã, e nela a comunidade é o chão onde se vive o testemunho, a celebração da fé. Para que isto aconteça a comunidade seja envolvida em todo o processo (movimentos, pastorais, serviços, organismos) especialmente a liturgia.
  4. O projeto de Iniciação à Vida Cristã, após o sacramento do Batismo, compreende 5 anos consecutivos, levando em conta o ingresso neste processo com a idade de 9 anos a serem completados no decorrer do mesmo ano. A inscrição de cada catequizando seja feita pela família, com atendimento personalizado na paróquia e seja apresentada a certidão de batismo.
  5. Fazem parte do processo de Iniciação à Vida Cristã o envolvimento da família ou responsáveis que acompanharão os filhos ao longo de todo o caminho catecumenal.
  6. Os Itinerários constam de quatro volumes para os catequizandos e quatro volumes para a família, perfazendo os 5 anos no processo de Iniciação à Vida Cristã.
  7. Todas as crianças e adolescentes sejam acolhidos com alegria e incluídos em grupos, não ultrapassando 10 participantes. Atenção especial deem-se aqueles e aquelas que apresentarem alguma deficiência.
  8. Os catequizandos que não receberam o Batismo sejam preparados para celebrar este sacramento na Vigília Pascal ou no final do 2º Tempo.
  9. Os adultos que pedem para serem integrados na comunidade através dos sacramentos da Eucaristia e Crisma sejam acompanhados individualmente por uma liderança da comunidade e em grupos pequenos por um ou uma catequista e que perfaçam o processo de Iniciação à Vida Cristã de quaresma a quaresma. Usar em todas as paróquias os itinerários de Iniciação à Vida Cristã indicados pela Arquidiocese e como livro litúrgico, o RICA.
  10. A inscrição dos catequizandos seja feita pelos pais ou responsáveis, devendo nesse ato apresentar o documento que comprove o Batismo da criança.
  11. Para o atendimento do processo de Iniciação à Vida Cristã há a necessidade que a comunidade se empenhe para assumir o caminho de fé, através da preparação de lideranças, catequistas, acompanhantes motivados com generosidade a concretizar este processo, juntamente com as famílias.
  12. As escolas católicas que oportunizam seus alunos a fazerem os sacramentos há a necessidade de conscientizar as famílias do sentido de pertença a uma comunidade. Todos os catequizandos sejam preparados no caminho da Iniciação à Vida Cristã, seguindo o processo catecumenal, obedecendo os tempos com seus ritos e entregas, conforme se processa nas paróquias da nossa Arquidiocese. Faça-se uso dos Itinerários oferecidos pela

Conteúdo

  1. Ao longo do caminho da Iniciação à Vida Cristã todo catequizando passará por quatro tempos e três etapas (Ritos de passagem) assim compreendidos.

  1. Nos quatro tempos da Iniciação à Vida Cristã propõe-se a celebrar ritos de passagem e de entrega. Dar oportunidade para que a comunidade compreenda estas celebrações, dando ênfase à celebração dos sacramentos da Eucaristia e da Crisma.
  2. Durante os quatro tempos a Palavra de Deus será o centro da reflexão da fé. Os conteúdos serão vivenciados sobretudo no 2º Tempo assentados sobre três pilares: A Palavra de Deus, a Liturgia e a Doutrina (Credo, Mandamentos, sacramentos e o Pai Nosso). Estes conteúdos estão no processo ao longo dos 5 anos, compreendendo a preparação para os sacramentos da Eucaristia e da Crisma.
  3. Sejam também explicitados os temas nos quatro tempos da IVC, nos volumes 3 e 4, atingindo a família e ao povo:
  4. a) a pessoa e a ação do Espírito Santo;
  5. b) os dons e os frutos do Espírito Santo;
  6. c) a maturidade da fé;
  7. d) a difusão, vivência e experiência de fé na vida;
  8. e) a missão do padrinho e da madrinha.
  9. f) os valores da pessoa humana, da família e da comunidade;
  10. g) os sacramentos: símbolos, gestos e compromissos;
  11. h) a espiritualidade do cristão adulto;
  12. i) a Igreja, vocações e ministérios;
  13. j) o seguimento de Jesus Cristo;
  14. k) o sentido e o valor da vida;
  15. l) a leitura e a prática da Palavra de Deus;
  16. m) histórias dos santos e mártires como modelos de vida cristã e testemunhas de vida;
  17. n) compromisso e atitudes de maturidade e engajamento na comunidade;
  18. o) o compromisso missionário;
  19. p) o apostolado da família e dos filhos nos ambientes e situações da realidade.
  20. q) Maria, Mãe da Igreja;
  21. r) noções sobre o sacramento do Matrimônio como vocação da mai­oria dos cristãos;
  22. s) a dimensão eclesial e social do sacramento do Matrimônio;
  23. t) educação para o amor e a convivência conjugal;
  24. Os adolescentes que não percorreram o caminho da Iniciação à Vida Cristã sejam acompanhados por catequistas através do Itinerário dos adultos, adequando-o à idade.

Celebração

  1. O Ano Litúrgico, no caminho da Iniciação à Vida Cristã é a espinha dorsal que educa o povo na fé e celebra o grande Mistério Pascal.
  2. Haja empenho por parte dos párocos, catequistas e comunidade em motivar a família para que celebre junto com os filhos todo o processo, percorrido em cinco anos e com a consciência de que a vivência cristã é para toda a vida.
  3. As crianças e adolescentes com deficiência sejam acolhidos e incluídos nos grupos que percorrem os Itinerários.
  4. Atenção especial e acolhida seja dada aos adultos que pedem os sacramentos de iniciação. Segue-se o processo de Iniciação à Vida Cristã, compreendido em quatro tempos e três etapas conforme o que está prescrito no RICA.
  5. Dá-se durante o processo Iniciação à Vida Cristã oportunidades para a família e catequizandos se encontrarem através de jornadas celebrativas, retiros, ocasionando a vivência da fé, de forma comunitária.
  6. Para favorecer maior unidade eclesial, adotem-se os Itinerários da própria Arquidiocese.

Conteúdo II

  1. Esclareça-se o povo sobre o processo de Iniciação à Vida Cristã e nesta a compreensão da unidade entre os três sacramentos: Batismo, Crisma e Eucaristia.
  2. No processo de Iniciação à Vida Cristã seguem os conteúdos conforme o estabelecido pela CNBB no Itinerário Catequético – um processo de inspiração catecumenal. Isto tanto para Eucaristia e para a Crisma:
  3. 1° Tempo – Anúncio de Jesus Cristo.
  4. 2° Tempo – Catequese (Palavra de Deus, Pessoa Humana, Jesus Cristo, Família Igreja: Credo Mandamentos, Vida de oração, Vida Sacramental).
  5. 3° Tempo – Purificação e Iluminação (Entendimento e vivência da Quaresma).
  6. 4° Tempo – Mistagogia (Vivência do Mistério recebido). Esta seja entendida como parte integrante no processo de Iniciação à Vida Cristã.

Celebração

  1. As Celebrações de entrega e dos ritos de passagem sejam realizadas com esmerada preparação por parte do celebrante e das equipes litúrgicas e catequéticas dando oportunidade da presença da família e toda a comunidade.
  2. A Renovação das Promessas do Batismo seja, preferencialmente, feita numa celebração alguns dias ou semanas antes da celebração da 1ª Comunhão Eucarística e da Crisma.
  3. O sacramento da Penitência seja preparado ao longo do processo da Iniciação à Vida Cristã e com atendimento individual dos catequizandos e, se possível, de seus pais e padrinhos, durante a quaresma.
  4. Na celebração de 1ª Comunhão Eucarística e da Crisma, seja observado o espírito de simplicidade evangélica, e o quanto possível, com os catequizandos usar-se uma bata.
  5. A celebração da 1ª Comunhão Eucarística se realize, de preferência, em pequenos grupos, possibilitando maior participação da comunidade.
  6. A Eucaristia, especialmente aos domingos, seja bem preparada por todos os envolvidos em sua celebração, adequando-se o número e os horários das celebrações à realidade de cada comunidade.
  7. Ao povo, quando não houver possibilidade de Celebração Eucarística aos domingos, seja feita a Celebração da Palavra, preparada pela equipe de liturgia, juntamente com o responsável do culto.
  8. Em eventos oficiais e sociais (formaturas, debutantes, 15 anos, etc.), dê-se preferência à Celebração da Palavra, para não comprometer o verdadeiro sentido da Eucaristia.
  9. Dê-se especial atenção aos doentes, motivando-os e preparando-os para receber a Sagrada Eucaristia, através de uma boa pastoral dos enfermos.
  10. Sobre a exposição e a adoração do Santíssimo Sacramento, sigam-se as normas prescritas no Guia Litúrgico-Pastoral da CNBB.
  11. Haja a oportunidade, em todas as igrejas, horários com exposição do Santíssimo Sacramento, para adoração e bênção.

Vivência  e acompanhamento

  1. Todo cristão necessita buscar aprofundar a sua fé de forma permanente e comunitária. Recebida no Batismo, a fé se fortalece no encontro com Cristo, através do sacramento da Eucaristia e da Crisma.
  2. A participação na Celebração Eucarística e da Crisma leve os fiéis a sentirem-se pertencentes à Igreja, comprometidos com a justiça social e a solidariedade com os pobres, engajados na atividade missionária e preocupados com a busca ecumênica da unidade dos cristãos.
  3. Aos familiares cujos filhos, afilhados ou acompanhados se encontram na caminhada da Iniciação à Vida Cristã, a Igreja dará mais atenção para o crescimento de uma fé mais vivencial e testemunhal.
  4. Na participação dos encontros, leve-se em conta a presença de 85%, no mínimo, não esquecendo o nível de maturidade e de aproveitamento da família e do catequizando.
  5. Mantenha-se o livro de registro do rito da Inscrição do Nome, de Crisma ou Confirmação na paróquia. O ministro ordinário do sacramento da Crisma ou Confirmação é o Bispo, podendo ser também administrado pelos presbíteros, quando autorizados pelo Bispo.
  6. Os catequistas dos adolescentes que continuam o caminho da Iniciação à Vida Cristã tenham a idade mínima de 18 anos, observando-se a maturidade, vivência na fé, equilíbrio emocional, e sejam previamente preparados.
  7. A Iniciação à Vida Cristã é um processo contínuo que faz o cristão crescer na sua fé motivado pela Palavra, Liturgia e a Caridade. Os iniciados, sobretudo os crismandos, são convidados e acompanhados para maior engajamento em grupos de jovens ou em alguma atividade pastoral da comunidade. Seja dada a todos oportunidades de continuar crescendo na fé e desenvolver sua missão.
  8. À Pastoral da Juventude e à pastoral paroquial possa se responsabilizar na continuidade do processo de Iniciação à Vida Cristã dos Adolescentes, já integrados na comunidade.
  9. A celebração da Crisma ou confirmação não encerra o período de crescimento na fé, mas cabe à comunidade paroquial o acompanhamento na:
  10. a) vida de família;
  11. b) meio juvenil;
  12. c) escolas e universidades;
  13. d) dimensão social e política da fé;
  14. e) justiça social e solidariedade com os pobres;
  15. f) relacionamento com membros de outras Igrejas e religiões;
  16. g) serviço à Igreja e ao Reino de Deus, engajamento na vida litúrgica.